OPEN BANKING

Open Banking promete mudar o mercado financeiro

A revolução do Open Banking 

O Open Banking promete ser a revolução do mercado financeiro. A novidade é que em breve será implementado também no Brasil. Desde que o Banco Central do Brasil abriu consulta pública sobre o tema, é pauta das principais fintechs, bancos digitais, sites e jornais mais respeitados do País. Isso porque irá transformar o cenário bancário atual em uma nova realidade, menos burocrática e mais tecnológica e transparente.

O que é Open Banking 

Na tradução literal Open Banking quer dizer “Banco aberto” e significa que as informações bancárias dos correntistas não são mais sigilosas, podendo ser compartilhadas com as instituições financeiras e empresas que tenham interesse. Isso graças a tecnologia das APIs, que possibilita o compartilhamento das informações bancárias com a autorização expressa dos correntistas. 

Open Banking no Brasil 

Com a ascensão das fintechs, bancos digitais e instituições correlatas, foi observado a necessidade de atualizar a regulamentação bancária, quando o assunto é o compartilhamento das informações. A consulta pública sobre Open Banking iniciou-se em Novembro de 2019, mas o tema é incentivado desde 2017. 

Instituições financeiras no novo modelo Open Banking 

O propósito do Banco Central ao dar abertura na implementação do Open Banking é de fomentar competitividade do mercado financeiro e tornar mais transparente a relação entre instituições financeiras e correntistas. Com as mudanças nessa regulamentação os grandes bancos terão que se adequar à nova realidade e oferecer aos seus correntistas melhores taxas e produtos, que sejam competitivos. 

Países que já implementaram o modelo Open Banking 

Alguns países são pioneiros quando o assunto é Open Banking, sendo eles: Suécia, Reino Unido, Holanda, Estados Unidos e Cingapura. Países como: Canadá, Cingapura, Hong Kong, Japão, Índia, Israel, México e Nigéria, já estão com ações em andamento para a implementação do novo sistema financeiro.

Open Banking na Estônia

Na Estônia, o Open Banking já está ativo desde Setembro de 2019 e os bancos do país já estão oferecendo novos serviços ao mercado. Lá já é possível realizar a transferência de valores de um banco para outro apenas com o número de celular do destinatário. Com isso, iniciou-se uma nova era no setor bancário do País. Fazer transferências bancárias e enviar solicitações de pagamento tornou-se tão fácil e rápido quanto o pagamento por aproximação. 

O Open Banking permitiu que startups e fintechs entrassem em operação com maior impacto no mercado de serviços financeiros, além de oferecer novas oportunidades aos bancos.

Open Banking na Austrália 

Na Austrália, o Open Banking também já foi iniciado. Os 4 maiores bancos do País: CommBank, ANZ, Westpac e NAB  já foram notificados para que disponibilizem os dados de consumidores, contas e transações para cartões de crédito e débito, contas de depósito e contas de transações. 

No País, os dados compartilhados são: 

Informações do produto: Informações sobre taxas, taxas e recursos para os produtos de cada banco. Esses dados podem ser acessados ​​por meio de APIs acessíveis ao público.

Dados do cliente: Informações pessoais sobre o correntista, como seu número de telefone, endereço de e-mail e endereço residencial.

Dados da conta: Isso inclui informações sobre contas específicas, como saldos, débitos diretos e pagamentos regulares.

Dados de transação: Dados de transação são informações sobre as transações em conta, incluindo quanto o cliente gastou e onde fez a transação.

Regulamentação Open Banking 

Algumas regras do Open Banking já estão fixadas no Brasil, sendo elas: Quais os dados dos produtos e serviços oferecidos pela instituição de pagamento, dados cadastrais do correntista, informações de transações do cliente e contratos que o mesmo tem com a instituição.

A expectativa para as próximas regulamentações é que sejam definidas a linguagem de programação das APIs e as plataformas que serão permitidas o registro dos dados. 

Espera-se que essa regulamentação adote uma posição pouco restritiva, na qual os bancos são obrigados a disponibilizar a API, como na União Europeia.

You May Also Like

Adriano Meirinho

Open Banking Celcoin é destaque no site PEGN

Marcelo França

Open Banking do Celcoin F.Hub ganha destaque no site Época Negócios

Celcoin F.Hub APIs Open Banking

Celcoin F.Hub cria API financeira para ajudar outros bancos digitais e fintechs

Destaque Exame Open Banking Celcoin

Celcoin F.Hub ganha destaque no site Exame com API Open Banking para fintechs e bancos